Os 7 Pilares do Kung Fu Tradicional Para a Evolução

A palavra pilar tem muitos significados, aqui significa aquilo que sustenta o Kung Fu, que faz com que o Kung Fu tradicional continue crescendo e evoluindo.

A tradição não é um pilar, tradição é a fundação, é o alicerce sobre o qual devemos fincar os pilares para o Kung Fu evoluir. Por isso que falamos Kung Fu tradicional, ou seja, relacionado com a tradição, com a transmissão de lendas, ritos, usos, culturas, crenças etc., de uma geração para outra.

Quanto maior uma estrutura, maior será a quantidade de pilares para sustentá-la, e, como sabemos, a estrutura do Kung Fu tradicional é muito ampla, isso nos leva a dizer que, somente um ou dois pilares, não seriam suficientes para sustentá-lo e fazê-lo evoluir, principalmente na atualidade, onde as coisas evoluem rapidamente à velocidade da luz. E quais seriam esses pilares?

1 – Saúde

Saúde significa o estado de normalidade de funcionamento físico e mental do organismo humano.

Ter saúde é viver com boa disposição física e mental. Incluindo-se também o bem-estar social entre os indivíduos.

A saúde de um indivíduo pode ser determinada pela própria biologia humana, pelo ambiente físico, social e econômico a que está exposto e pelo seu estilo de vida, isto é, pelos hábitos de alimentação e outros comportamentos que podem ser benéficos ou prejudiciais.

Uma boa saúde está associada ao aumento da qualidade de vida. É sabido que uma alimentação balanceada, a prática regular de exercícios físicos e o bem-estar emocional são fatores determinantes para um estado de saúde equilibrado.

O Kung Fu pode lhe proporcionar tudo isso, mas, pare e pense, será que se fosse somente por disso você continuaria treinando, dado o compromisso, dedicação e dureza do treinamento? Claro que não, você escolheria qualquer outro tipo de atividade física que não exigisse tanto esforço e dedicação. Portanto, somente o pilar da saúde não garantiria a sobrevivência do Kung Fu através dos tempos.

2 – Arte

Arte é um termo que vem do latim ars, que significa técnica e/ou habilidade. Em outras palavras, arte é a atividade humana ligada a manifestações de ordem estética, feita por artistas a partir de percepção, emoções e ideias, com o objetivo de estimular esse interesse de consciência em um ou mais espectadores, e cada obra de arte possui um significado único e diferente. Consequentemente, o Kung Fu precisa ser bonito.

A arte está ligada à estética, porque é considerada uma faculdade ou ato pelo qual, trabalhando o corpo, matéria, imagem ou o som, o homem cria beleza ao se esforçar por dar expressão ao mundo material ou imaterial que o inspira. Na história da filosofia tentou se definir a arte como intuição, expressão, projeção, sublimação, evasão, etc. Aristóteles definiu a arte como uma imitação da realidade, mas Bergson ou Proust a veem como a exacerbação da condição atípica inerente à realidade. Kant considera que a arte é uma manifestação que produz uma “satisfação desinteressada”.

Mas, pense consigo mesmo, será que o Kung Fu sobreviveria somente por causa da saúde e da beleza. Será que outras atividades já não contemplam a saúde e a arte, como, por exemplo, a Yôga ou a dança.

3 – Marcialidade

Para a maioria dos praticantes, marcialidade significa que o Kung Fu precisa funcionar em luta. Entretanto, podemos dizer que num mundo em paz e dominado pelas armas de fogo, a efetividade das artes marciais enquanto luta, é praticamente nula.

Marcialidade pode também ser definida como a qualidade do que se mostra primoroso, perfeito. Essa é a definição que prefiro adotar. Nesse caso, tem a ver com o nível de perfeição e o espírito que podemos ver, por exemplo, no desfile militar do exército chinês. Se você já viu um vídeo desses saberá do que estou falando. Se nunca viu, veja aqui https://www.youtube.com/watch?v=zFi5d8XMhsg. Nesse sentido, O Kung Fu deve ser expressado com marcialidade e beleza, caso contrário deixa de ser Kung Fu.

Com esses três pilares, o Kung Fu tem se mantido por milhares de anos, entretanto, a medida que a evolução no mundo aumenta, as inovações aparecem e a competitividade aumenta e o Kung Fu vai ficando para trás, assim sendo, se quisermos sobreviver, precisamos nos apoiar em outros pilares.

4 – Administração

Administração é o ato de administrar ou gerenciar negócios, pessoas ou recursos, com o objetivo de alcançar metas definidas. É uma palavra com origem no latim “administratione”, que significa “direção, gerência”.

A administração é um ramo das ciências humanas que se caracteriza pela aplicação prática de um conjunto de princípios, normas e funções dentro das organizações. É praticada especialmente nas empresas, sejam elas públicas, privadas, mistas ou outras.

Atualmente, eu diria que a administração é um dos mais importantes pilares. Sem ela, o Kung continuará sendo uma arte marcial de fundo de quintal, sem reconhecimento algum, vivendo sob o manto do amadorismo, do invencionismo e da mentira.

Dentro da administração podemos destacar vários fatores, como, por exemplo:

Iniciativa Privada – inclui as empresas os empresários e os empreendedores que, visando lucro, farão com que a arte cresça e apareça. Disso surgem outros fatores importantes, como, por exemplo, a concorrência, e com ela o profissionalismo e a qualidade.

Organização – Organização é a forma como se dispõe um sistema para atingir os resultados pretendidos. Normalmente é formado por uma, duas ou mais pessoas que executam funções de modo controlado e coordenado com a missão de atingir um objetivo em comum com eficácia.

Sem a organização o Kung Fu jamais conseguirá crescer o quanto poderia. Devido a infinidade de estilos, sabemos que no Kung Fu torna-se quase impossível termos confederações e federações fortes e organizadas, como, por exemplo, as confederações e federações do Judô e do Taekwondo. E é exatamente por essa razão que se faz necessária a iniciativa privada.

Marketing – Marketing é o conjunto de técnicas e métodos aplicados ao estudo das necessidades dos mercados e seus principais componentes, como públicos, vendas e produtos para o desenvolvimento das empresas.

Marketing é uma palavra derivada do termo inglês market, que significa mercado, ou seja, o estudo das causas, objetivos e resultados produzidos através das diferentes formas de como as empresas lidam com o mercado.

marketing estuda as causas e os mecanismos que regem as relações de troca (bens, serviços ou ideias) realizadas dentro de quatro eixos principais: preço, distribuição, comunicação e produto. Ele pretende que o resultado de uma relação seja uma transação (venda) satisfatória para todas as partes que participam no processo.

Marketing é a ciência e a arte de explorar, criar e entregar valor para satisfazer as necessidades de um mercado-alvo com lucro. Marketing identifica necessidades e desejos não realizados. Ele define, mede e quantifica o tamanho do mercado identificado e o potencial de lucro. (Philip Kotler)

Para crescer, as empresas e o produto (Kung Fu) precisariam ser conhecidos e apreciado (bem visto) pela maior quantidade possível de pessoas no mundo e, é o marketing, através da publicidade e propaganda, que fariam isso.

Investimento – é qualquer gasto ou aplicação de recursos que produza um retorno futuro. Esse conceito envolve tanto dinheiro quanto capital intelectual, social ou natural. De maneira ampla, o conceito de investimento é um desembolso em que há a expectativa de certo ganho ou resultado futuro. Dessa maneira, com o crescimento da iniciativa privada e da concorrência, o investimento no Kung Fu seria tão apenas uma consequência.

5 – Desenvolvimento

Desenvolvimento é toda ação ou efeito relacionado com o processo de crescimento ou evolução de um objeto, pessoa ou situação em uma determinada condição.

O ato de se desenvolver resulta na ação de estar apto para o próximo passo, direção, indicação ou etapa superior a que se encontra na fase atual. Em outras palavras, evoluir.

A maioria dos Mestres de Kung Fu parecem preferir viver no passado. Continuam acreditando que tem poderes sobrenaturais, que podem vencer sozinhos dezenas ou centenas de adversários. Com isso, o que acontece, é que toda vez que um mestrão desafia um lutador de verdade, passa vergonha. Para resolver esse problema, será necessário, pelo menos em termos de luta, mudar totalmente o método de treinamento, começando urgentemente a investir no mínimo em três áreas:

Pesquisa – é um conjunto de ações que visam a descoberta de novos conhecimentos em uma determinada área.

Observar o que funciona e o que não funciona dentro do ringue e testar colocando em prática diante dos adversários.

Tecnologia – usar a tecnologia para ajudar no desenvolvimento dos atletas. Carregar baldes d´água ou bater em saquinho de feijão não vai ajudar muito em cima do ringue.

Ciência – Sem a ciência, compreendendo todos os aspectos do ser humano enquanto máquina de combate, será muito difícil superar nossos adversários.

6 – Profissionalismo

Aqui não estamos falando sobre tornar o Kung Fu uma profissão, que seria na minha opinião, ainda pior, mas sim, de tratá-lo com profissionalismo. O Kung Fu ensinado no fundo de restaurantes e quintais já não nos serve mais como pilar.

Mestres e professores que mal sabem falar. Não estou falando de instrução superior nem nada disso. Qualquer pessoa, por mais humilde que seja, pode ter conteúdo e ser educada. No mínimo é preciso ter conteúdo, pelo menos para atender e conversar com os clientes. Essa falta de educação só piora nosso cenário.

Tratar o Kung Fu como um bico, apenas para ganhar um dinheirinho extra, não resolverá o nosso problema.

7 – Competição

As competições, tanto de luta quanto de formas, sempre foram e sempre serão um fator motivacional, principalmente para os mais jovens. A competição é a vitrine da nossa arte. É onde os praticantes poderão mostrar tanto sua eficiência quanto sua beleza.

Quanto mais competições bem organizadas e de alto nível tivermos, melhor será para nossa arte. Vocês acham que o MMA seria o que é hoje sem a organização e o alto nível de suas competições mostradas na TV? Vocês acham que o MMA ficou famoso por que? Claro que foi por causa da administração, organização, desenvolvimento, profissionalismo e marcialidade. Me parece que o pessoal do Kung Fu vê tudo isso, mas, não enxerga.

Concluindo, se quisermos fazer frente às demais artes marciais e continuar a crescer e evoluir, teremos que mudar nossa maneira de pensar. Precisamos deixar nosso preconceito, principalmente com relação ao dinheiro, de lado, tornando o Kung fu profissional e rentável. Em outras palavras, precisamos continuar com a tradição e nos apoiando na saúde, na arte e na marcialidade, porem, dirigir também nossos esforços para a administração, desenvolvimento, profissionalismo e para as competições de alto nível.

Grão-Mestre Gabriel Amorim

Mestre Gabriel
Mestre Gabriel

Praticante de Kung Fu desde 1980, fundou a TSKF Academia de Kung Fu em 1996, graduado Mestre pela Confederação Mundial de Kuoshu. É escritor, palestrante, ocultista e estudioso da entidade humana.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *